CÂMARA DO RIO

Thiago K. Ribeiro: o vereador campeão de faltas

Após checagem de "E aí, vereador?", atas das sessões são 'completadas' no site 

 

Nove* faltas em 25 sessões
 

Colaboraram: Adriana Barsotti, Cecília Santos, Gabriel Morais, Isabelle Rodrigues e Raquel Pacca.

 

Até a publicação desta reportagem, o nome do vereador Thiago K. Ribeiro (PMDB) não aparecia como presente em 9 atas das 25 sessões (ordinárias e extraordinárias) que aconteceram entre os dias 15 de fevereiro e 30 de março na Câmara Municipal do Rio. Com isso, ele foi o que mais registrou faltas no bimestre. O vereador enviou e-mail para a reportagem com justificativas de duas faltas, mas disse que faltou a cinco sessões. Alegou compromissos, motivos médicos (disse que ainda apresentaria atestado à Câmara) e destacou que será descontado pelas ausências não justificadas. Como acontece com qualquer trabalhador brasileiro, se a falta do vereador não for justificada, ele deve ser descontado no pagamento (que é de quase R$ 19 mil bruto), mas a assessoria da Câmara não informou se houve realmente descontos este ano, muito menos disse os valores dos descontos nem quem foram os vereadores descontados.

(P.S.: No dia 09 de maio o gabinete do vereador Thiago K. Ribeiro enviou ofício para a reportagem informando que duas faltas dele foram perdoadas pela presidência: uma no dia 23 de fevereiro e outra em 23 de março. Enquanto não há prazo para um vereador pedir que suas faltas sejam abonadas, qualquer trabalhador brasileiro só não será descontado no fim do mês se apresentar a justificativa da falta (atestado médico, por exemplo) em até 72 horas.)

Cesar Maia (DEM) também não deu as caras em 9 sessões, de acordo com as atas, mas teve três de suas faltas abonadas pela presidência. Portanto, aparece no ranking com seis faltas. Segundo o regimento interno, apenas em caso de motivo “justo” o vereador que não compareceu a uma sessão terá a falta abonada. As justificativas aceitáveis como justas são: doença, nojo (falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa que viva sob sua dependência econômica) ou gala (casamento), ou se o parlamentar estiver fora em função oficial da Câmara Municipal. É preciso enviar um ofício ao presidente com a justificativa da falta e com atestado médico em anexo (se o motivo for doença). 

O vereador Cesar Maia se justificou para a reportagem dizendo que se sentiu mal no dia 22/02. Informou que esteve no exterior -no país Malta, no Mediterrâneo - nos dias 28, 29 e 30/3, em reunião da Internacional Democracia de Centro -IDC. Por isso, não compareceu às sessões que aconteceram neste período. Reconheceu que não participou das sessões extraordinárias em que seu nome não consta nas atas “por haver agenda pre-agendada”.

O presidente da Câmara, Jorge Felippe, abonou 18 faltas de oito vereadores entre fevereiro e março, também de acordo com as atas disponíveis no site. Vera Lins (PP) e Veronica Costa (PMDB) foram as que mais tiveram faltas devidamente justificadas e perdoadas pela presidência: quatro cada uma. 

Sem essas faltas por motivos considerados justos pela casa, Veronica Costa seria a campeã de faltas, pois o nome dela não aparecia em 10 atas checadas - novamente - pela nossa equipe pouco antes da publicação desta reportagem.

 

OS EXEMPLARES 

Dez vereadores foram a todas as sessões que aconteceram entre fevereiro e março. Oito deles estão em seus primeiros mandatos. Os mais presentes foram: David Miranda (PSOL), Fernando William (PDT), Italo Ciba (PtdoB), Jair da Mendes Gomes (PMN), João Mendes de Jesus (PRB), Jones Moura (PSD), Leandro Lyra (NOVO), Marcello Siciliano (PHS), Reimont (PT) e Val Ceasa (PEN). Constam no ranking outros dois nomes como tendo recebido (oficialmente) 100% de presença no período: Vera Lins (PP) e Inaldo Silva (PRB). Só que ambos não apareceram em sessões (Vera Lins: quatro. Inaldo Silva: duas) É que os dois tiveram suas ausências perdoadas e não houve descontos.  

Veja no infográfico abaixo o ranking de faltas, resultado do trabalho feito em parceria com a ONG Ação Jovem Brasil e o Portal de Jornalismo da ESPM.  

 

  

O diretor jurídico do Sindicato dos Servidores Públicos do Município do Rio, Frederico Sanches, elogiou o novo projeto do site. “O portal eaivereador.org estará prestando excelente trabalho para a comunidade fluminense, eis que a população arca com o pagamento dos vereadores com impostos absurdos, razão por que é dever destes comparecer às sessões ordinárias e extraordinárias, mas muitos preferem inclusive acompanhar de seus gabinetes as sessões com assessores dentro do plenário da Augusta Casa, quando este ofício é de exclusividade do mandatário escolhido pelo povo, através de escrutínio secreto”, disse.

Sanches afirmou que é preciso acompanhar com rigor e sistematicamente as justificativas das faltas abonadas “para saber se as mesmas se repetem com frequência”. E ainda lembrou que o mais assíduo não necessariamente é o melhor vereador. “Nem sempre o assíduo e esforçado parlamentar denota conhecimento e vontade de legislar em prol da população”, disse o diretor do sindicato.

 

MUDANÇAS NAS ATAS

Chamou a atenção da reportagem o fato de atas das sessões, disponíveis no site da Câmara, aparecerem diferentes um dia antes da publicação desta reportagem em comparação com dias anteriores. Registros de faltas abonadas apareceram no fim de alguns desses documentos. Por exemplo: na ata do dia 30/03 que baixamos dias antes não consta o registro de uma das faltas abonadas do Vereador Cesar Maia. Agora esta informação está no documento.

O nome da vereadora Veronica Costa inicialmente aparecia na ata do dia 28/03, como se ela tivesse chegado antes da ordem do dia. Agora, o nome dela não aparece mais entre os presentes e, no fim da página da ata disponível no site da Câmara, consta que ela teve a falta daquele dia abonada pela presidência. 

 

A VERSÃO DA CÂMARA 

Por e-mail, a Câmara disse que as atas das sessões legislativas não são alteradas, mas, sim, “complementadas”. E também informou: “os pedidos para justificativa das faltas dos parlamentares são feitos através de processo administrativo.  Após serem abonadas (conforme artigo 10, § 1º do Regimento Interno) e publicadas no Diário da Câmara Municipal, essas justificativas são inseridas no final da Ata da respectiva sessão legislativa, complementando assim o documento. O abono de falta pode ser solicitado a qualquer tempo pelo parlamentar. Finalmente, informamos que a ausência do vereador nas sessões extraordinárias não são contabilizadas. O Regimento Interno da Casa (Artigo 13) estabelece mecanismos para punição dos faltosos que vão desde a suspensão até a perda do mandato.”

A assessoria só não divulgou a lista dos vereadores que apresentaram as justificativas nem disse se houve punições aplicada, como pedido pela reportagem.

 

COMO FUNCIONA

Não ganha falta o vereador que registrar presença até o início da Ordem do Dia e participar das votações (pelo menos uma). Isso é feito pelo tablet que cada um recebeu após tomar posse. As sessões ordinárias acontecem às terças, quartas e quintas-feiras, às 14h, no Palácio Pedro Ernesto, na Cinelândia, Centro do Rio. Nas primeiras duas horas e meia, os vereadores se revezam na tribuna fazendo discursos e em debates. Há uma nova contagem de quórum por volta das 16h. Se houver no mínimo 17 vereadores no plenário, começa a Ordem do Dia, quando acontecem as votações.  

 

FALTA DE QUÓRUM

A sessão do dia 14 de março foi a primeira deste ano a cair por falta quórum. Na hora marcada para começar, só seis (dos 51) vereadores estavam presentes. Se não houver sete parlamentares no plenário a sessão cai. Às 14h15m daquela data, em segunda chamada, estavam presentes apenas os vereadores Reimont (PT), Otoni de Paula (PSC), Dr. Jorge Manaia (SOLIDARIEDADE), Carlo Caiado (DEM), Claudio Castro (PSC) e Dr. Gilberto (PMN). Mas apesar da maioria das cadeiras vazias, outros 43 registraram presença, respaldados pelo art. 62 da Lei Orgânica Municipal. De acordo com este artigo, qualquer vereador pode assinar a lista de presença normalmente até 30 minutos após uma sessão cair por falta de número legal. Do início do ano passado até setembro, a falta de quórum derrubou 28% das sessões marcadas.

Este ano, o dia em que eles mais ficaram em plenário foi 8 de março, quando aconteceram uma sessão ordinária e três extraordinárias. Entre os assuntos em pauta, a indicação de Felipe Galvão Puccioni para o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Município (uma queda de braço da qual a Câmara saiu derrotada) tomou conta de boa parte daquele dia. 

De acordo com o regimento interno, um vereador pode perder o mandato se não tiver participado de um terço das sessões ordinárias que acontecerem ao longo do ano legislativo (que vai de  15 de fevereiro a 30 de junho e de 1º de agosto a 15 de dezembro). Ao contrário da Câmara, que não contabilizam como faltas as ausências dos vereadores nas sessões extraordinárias, o FALTÔMETRO* leva em consideração também as faltas nesses casos, a menos que tenham sido abonadas. Vale lembrar que o vereador não recebe a mais por participar das sessões extraordinárias na Câmara do Rio.

O diretor jurídico do sindicato dos funcionários públicos apoiou a inclusão dessas faltas no ranking. “Acreditamos que todo e qualquer tipo de ausência das sessões plenárias devem ser apontados pelo portal eaivereador.org, pois se trata de informação paralela importante para a população, que já se encontra alienada da política, por isso todo e qualquer tipo de transparência é saudável para o bom andamento dos trabalhos”, disse. 

 

E AÍ, VEREADORES?

A reportagem entrou em contato com todos os 51 vereadores entre os dias 10 e 11/03. Dos 42 que tiveram pelo menos uma falta, 17 se justificaram por e-mails (enviados por eles ou assessores). Entre as desculpas estão "outros compromissos, mal estar e estratégia para obstruir a pauta e evitar a votação de algum projeto". Veja:

Thiago K. Ribeiro (9 faltas): “Dia 23/2 - Reunião de instalação da CCJ. Embora estivesse na Câmara, o vereador não pôde comparecer à sessão plenária já que a reunião foi longa e durou toda a tarde. Dia 23/3 - Dia de atendimento na Câmara. Devido ao grande número de horários reservados para atendimento ao eleitor neste dia, o parlamentar não pôde comparecer ao Plenário. O vereador Thiago K. Ribeiro informa que faltou cinco sessões, no entanto, em duas, esteve na Câmara, mas precisou se ausentar por motivos médicos (As justificativas ainda serão apresentadas, por isso não envio os atestados em anexo). Os outros dias serão descontados da Folha de Pagamento.” (P.S.: No dia 09 de maio o gabinete do vereador Thiago K. Ribeiro enviou ofício para a reportagem informando que duas faltas dele foram perdoadas pela presidência: uma no dia 23 de fevereiro e outra em 23 de março. Enquanto não há prazo para um vereador pedir que suas faltas sejam abonadas, qualquer trabalhador brasileiro só não será descontado no fim do mês se apresentar a justificativa da falta (atestado médico, por exemplo) em até 72 horas.)

Chiquinho Brazão (8 faltas): Não nos enviou justificativas.

Leonel Brizola Neto (8 faltas): Não nos enviou justificativas.

Prof.Célio Lupparelli (8 faltas): Não nos enviou justificativas.

Cesar Maia (9 faltas, sendo que 3 foram abonadas. Total de faltas contabilizadas: 6): "A ausência do dia 22/2: sentiu-se mal. Foi justificada a ausência. Dia 16/3 ele esteve em plenário. Fez discurso inclusive. Dias 28, 29 e 30/3 ele esteve no exterior -no país Malta, no Mediterrâneo - em reunião da Internacional Democracia de Centro -IDC. Como vice-presidente desta organização, foi com custos pagos pelo partido. Comunicou a ida em plenário e posteriormente, ao retornar, falou sobre a viagem e as decisões da IDC. Quanto às sessões extraordinárias citadas, de fato ele não ficou por haver agenda pre-agendada."

Renato Cinco (6 faltas): Não nos enviou justificativas.

Veronica Costa (Seu nome não aparece em atas de 10 sessões, mas teve quatro ausências abonadas. Total de faltas contabilizadas pelo ranking: 6): Primeiramente, lamentamos que o nome da vereadora Veronica Costa tenha constado equivocadamente na divulgação prévia de parte do resultado do ranking. Apesar das trocas de e-mails entre a reportagem e o gabinete da vereadora, as faltas não abonadas dela não foram justificadas para a nossa equipe. Veja aqui toda a troca de e-mails: o primeiro e-mail recebido do gabinete. Continuação da troca de e-mails.

Renato Moura (5 faltas): Não nos enviou justificativas.

Carlo Caiado (5 faltas): "Dia 15/02: falta justificada por agenda externa representando a Câmara de Vereadores. Dia 21/02: o Vereador Caiado esteve presente à Câmara, participou da Sessão Ordinária, mas não esteve presente à extraordinária, convocada de última hora para votação de homenagens. (Não é computado como falta). Dias 28 e 29, faltas para tratar de assunto de saúde familiar, dias faltosos descontados em contracheque."

Dr. Sergio Alves (4 faltas): Não nos enviou justificativas.

Eliseu Kessler (4 faltas): Não nos enviou justificativas.

Junior da Lucinha (4 faltas): Não nos enviou justificativas.

Luciana Novaes (6 faltas): Dias 02/03 e 07/03: "Durante o carnaval, a Lu adoeceu e teve, por consequência, uma infecção respiratória. O fato dela ser tetraplégica implica necessariamente em ter a mobilidade reduzida e também em dificuldades de acesso aos lugares - mesmo que seja um tratamento médico. Como não é simples para a vereadora "ir ao médico" é ela/ele que vai até a Lu. E o atendimento só ocorreu dia 7/03. Segue em anexo uma cópia do ofício expedido à Câmara e também do atestado. Dia 08/03: Ao fim do dia 7/03, foi expedida uma convocação de sessão extraordinária para dia 8/03, às 10h. A pauta desse dia havia sido debatida no dia anterior e a Luciana já havia se posicionado. Nesse mesmo dia, às 19h, ocorreria a entrega e o recebimento da Medalha Chiquinha Gonzaga, por ocasião do dia Internacional da Mulher, 8 de Março. A cerimônia e a sua saúde a fizeram optar por não passar 12h na Câmara - já que a Casa ainda não acolhe as suas especificidades médicas/ de saúde. A OMS recomenda, por exemplo, que o nosso corpo se movimente com regularidade para prevenir feridas, deformidades e garantir as funções musculares e respiratórias. Para que isso seja uma realidade para a Lu, o gabinete precisa estar adequado e com os aparelhos necessários para garantir sua saúde (tipo ter uma maca estável, pra onde ela possa ser transferida da cadeira). Coisa que até hoje não está. Por ela, passar o dia na Câmara não seria um problema se isso não afetasse diretamente a sua saúde. Dia 14/03: Nesse dia, a Luciana estava na Casa desde cedo. Ao se deslocar para o plenário, soube que não teve quórum na Casa e que, por isso, não haveria sessão. Na época, todos nós imaginávamos que a falta de quórum não acarretaria em falta (sem quórum não há sessão), mas hoje sabemos que, de qualquer modo, tem que se registrar a presença. Dia 15/03: Estava marcada uma manifestação no Centro do Rio sobre a Reforma da Previdência com clara possibilidade de confronto. Nessas manifestações, costuma-se usar bombas de efeito moral (ou de lacrimogênio) e isso (somado ao fato de poder ser encerrada justamente na Cinelândia) acarretaria em sérias dificuldades respiratórias para a Lu. Nesse dia ela não foi mesmo, mas por cuidado com a própria vida. Como dito anteriormente, para a vereadora, não é simples se deslocar pela cidade."

Cláudio Castro (3 faltas): Não nos enviou justificativas.

Dr. Gilberto (3 faltas): Não nos enviou justificativas.

Dr. Jorge Manaia (4 faltas): Não nos enviou justificativas.

Marielle Franco (3 faltas): A data a que se refere, 8 de março, é o Dia Internacional da Mulher. Nesta quarta-feira, a Vereadora Marielle Franco não só esteve presente à Câmara como se utilizou da tribuna do plenário para se pronunciar sobre a efeméride e participou de evento oficial da Casa, que homenageou várias mulheres. A primeira sessão extraordinária da Câmara Municipal foi às 10h da manhã. Neste momento, a vereadora participava de uma mesa de debate, compromisso firmado por ela com bastante antecedência, na escola CEAT (de 9 às 11h), onde palestrou sobre o papel da mulher na política com jovens estudantes. Durante a sessão ordinária, aberta às 14h, conforme consta no DCM de 9/3, embora não conste seu nome na abertura, a vereadora registrou presença durante os trabalhos e utilizou a tribuna por 20 minutos em discurso que consta no mesmo DCM (páginas 17 e 18). Durante a segunda e terceira sessões extraordinárias, abertas às 18h05m e às 18h10, respectivamente, a vereadora não estava presente à Casa. Marielle Franco, presidente da Comissão da Mulher, participava do grandioso e tradicional ato popular, a Marcha de Mulheres, que esse ano apoiou a Greve Internacional da Mulher. O evento reuniu milhares de mulheres em todo o mundo e, no ato carioca, sua presença, bem como de outras parlamentares e mulheres públicas, era uma das mais aguardadas. Às 18h30m, a vereadora retornou ao Palácio Pedro Ernesto para a entrega da Medalha Chiquinha Gonzaga. Seu mandato homenageou a doutora, escritora e educadora Jaqueline Gomes de Jesus. Como a homenagem avançou o horário noturno, seu registro consta no DCM do dia 10/3. Neste dia 8/3, os trabalhos da vereadora terminaram por volta das 21h30m. As atividades da vereadora Marielle foram amplamente divulgadas, tanto por suas redes sociais como por veículos de imprensa. Todas as informações podem ser confirmadas no Diário da Câmara Municipal e através da mídia social Facebook, no perfil Marielle Franco, incluindo as falas em plenário, o discurso no ato e da entrega da medalha Chiquinha Gonzaga."

Otoni de Paula (3 faltas): Não nos enviou justificativas.

Willian Coelho (3 faltas): Não nos enviou justificativas.

Carlos Bolsonaro (2 faltas): Não nos enviou justificativas.

Dr. Jairinho (2 faltas): Não nos enviou justificativas.

Felipe Michel (2 faltas): "O vereador Felipe Michel é o primeiro suplente da Mesa Diretora, e possui algumas atribuições a cumprir nesta função. Nestes dois dias, ele estava na casa em exercício de suas funções. Ainda assim, ele foi para o plenário, porém, sem tempo hábil para marcar presença na sessão. Este fato pode ser comprovado através das imagens registradas nas diversas câmeras que existem nas dependências da casa. Vale lembrar que inclusive, no dia 8, houve entrega de homenagens no plenário, uma delas do próprio vereador. Foi a concessão da Medalha Chiquinha Gonzaga. Em tempo: De acordo com o Regimento Interno, a falta nas sessões extraordinárias não são computadas, já que o vereador marcou presença na sessão ordinária do dia."

Marcelo Arar (2 faltas): Não nos enviou justificativas.

Professor Rogério Rocal (2 faltas): Não nos enviou justificativas.

Tânia Bastos (2 faltas): "Informo que no dia 8 de março 2017, na parte da manhã, a vereadora Tânia Bastos participou da comemoração do Dia Internacional da Mulher, no Centro Administrativo da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. À tarde, esteve em um evento em homenagem às Mulheres, na Ilha do Governador, que se estendeu até às 14h30m. Ao chegar na Câmara, ficou em seu gabinete atendendo e despachando com sua equipe. Entretanto, com o passar do tempo, encerrou-se a Sessão e a mesma não assinou o livro de presença."

Alexandre Arraes (1 falta): "Em resposta  à sua mensagem de 11 de abril, esclareço que minha ausência formal da sessão plenária da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ocorreu em razão de eventos em Brasília relacionados  diretamente com minha atividade parlamentar. Durante a ausência – justificada em plenário por meu colega de partido, o vereador Felipe Michel -  participei de evento referente à  regularização fundiária, um tema de extrema importância e que fez parte de meus compromissos de campanha para a vereança. Isto incluiu reunião com companheiros de partido  com vistas à ampliação das iniciativas ora em andamento no legislativo federal relacionadas ao tema. Na oportunidade, também pude acompanhar, na Câmara dos Deputados a votação do Projeto Cartão Reforma, cujo propósito é exatamente proporcionar às classes de menor renda facilidade de acesso  a  recursos para melhorias em sua habitação. Trata-se de um desdobramento natural do mencionado esforço para regularização fundiária na cidade do Rio de Janeiro."

Alexandre Isquierdo (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Dr. João Ricardo (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Jorge Felippe (1 falta): "Na primeira semana dos trabalhos legislativos, dediquei-me na busca de consenso entre as lideranças partidárias para a formação das comissões permanentes. Assim, antes do fim do prazo regimental, graças a essa dedicação, conseguimos construir o acordo de lideranças e em decorrência dessa dedicação, embora presente na Câmara, não participei da sessão, que diga-se de passagem, não possuía ordem do dia."

Luiz Carlos Ramos Filho (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Marcelino D Almeida (1 falta): "No dia 02 de março, estava em reunião em uma comunidade de Bangu e não consegui estar presente na sessão deste dia na Câmara Municipal."

Paulo Messina (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Paulo Pinheiro (1 falta): "A sessão extraordinária do dia 07/03/2017 foi convocada exclusivamente para a votação do PL 169/2016, que altera os padrões urbanísticos de um único imóvel em detrimento dos interesses da população local. Nos ausentamos da sessão com o objetivo de obstruir a pauta e, com isso, tentar evitar que o projeto fosse aprovado. Entendemos e achamos elogiável a cobrança pela presença dos vereadores em plenário. No entanto, obstruir a pauta é um dos recursos aos quais a oposição minoritária acaba tendo que recorrer para defender posições que consideramos corretas, mas que infelizmente contam com a maioria dos votos da Casa Legislativa."

Professor Adalmir (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Rafael Aloisio Freitas (1 falta): Não nos enviou justificativas.

Rosa Fernandes (1 falta): "Informamos que é raro o dia em que a vereadora Rosa Fernandes não comparece à Câmara. Neste dia 02/03, por motivos particulares, a vereadora não esteve presente e será devidamente descontada."

Tarcisio Motta (1 falta): "O vereador Tarcísio Motta estava presente na sessão extraordinária do dia 16 de março de 2017. Ele, inclusive, integra a Comissão de Educação e Cultura, tema da sessão. No entanto, por uma falha burocrática, não assinou o livro. Como prova de sua presença no plenário, segue a filmagem da sessão, que durou apenas dois minutos. O vereador aparece no plenário, na sessão extraordinária (3:36:00).https://www.youtube.com/watch?v=0StGh-Y__H8 "

Zico (1 falta): "No dia 21 de março, não participei da Sessão porque estive, na parte da tarde, em reunião com representantes de Secretarias Municipais, na sede da Prefeitura, compromissos estes que se prolongaram além do inicialmente esperado. Quando cheguei à Câmara Municipal, a Sessão plenária, infelizmente, já havia sido encerrada." 

Zico Bacana (1 falta): Não nos enviou justificativas.

 

QUEM TEVE 100% DE PRESENÇA GRAÇAS A FALTAS ABONADAS

Reimont (1 falta abonada): Não nos enviou justificativas.

Inaldo Silva (2 faltas abonadas): "Esclareço que as faltas foram informadas e abonadas pela Presidência da Câmara através do Ofício GVIS nº56/17 de 17 de março de 2017, tendo por motivo recomendação médica e o atestado devidamente anexado ao Ofício."

Vera Lins (4 faltas abonadas): "Ambas as faltas citadas, quais sejam do dia 21 de fevereiro e 21 de março, foram ocasionadas por problemas de saúde da Vereadora Vera Lins, que ficou muito fragilizada com o falecimento de sua mãe no final do mês de fevereiro. De acordo com o que determina o Regimento Interno, foram entregues à Mesa Diretora os respectivos atestados médicos. Porém, para a abertura do processo administrativo é necessário que apresente o original e o mesmo fica apenso ao processo, razão pelo qual não temos como enviar-lhe cópia dos mesmos. " 

 

PRESENTES EM TODAS AS SESSÕES DE FEVEREIRO E MARÇO

David Miranda 

Fernando Wiliam 

Italo Ciba

Jair da Mendes Gomes 

João Mendes de Jesus 

Jones Moura 

Leandro Lyra 

Marcello Siciliano 

Val Ceasa 


 FALTÔMETRO* - Projeto feito em parceria com a ONG Ação Jovem Brasil e o Portal de Jornalismo da ESPM. O ranking das faltas é feito com base nas atas das sessões publicadas no site da CMRJ. Antes da divulgação do resultado da apuração, todos os vereadores são comunicados por e-mail. Todos terão tempo hábil para se justificar, contestar informações e enviar comprovações de faltas abonadas quando esta informação não estiver disponível nas atas. Só não se manifestarão se não quiserem.